sexta, 27 novembro 2020
Imagem topo

Contas que se omitem

Publicado quarta, 19 agosto 2020 14:38

Passou mais um ano sobre o ataque nuclear dos Estados Unidos a Nagasaki. Como teria de dar-se, este lamentável acontecimento teria de ser recordado. E também o Papa Francisco se lhe referiu, pedindo, mais uma vez, um mundo (...)


Passou mais um ano sobre o ataque nuclear dos Estados Unidos a Nagasaki. Como teria de dar-se, este lamentável acontecimento teria de ser recordado. E também o Papa Francisco se lhe referiu, pedindo, mais uma vez, um mundo sem armas nucleares. Sem que me cause estranheza, não pediu uma redução de mais de 90% das estruturas militares dos diversos países, acompanhada de uma aprovação da renúncia ao recurso à força militar como atitude primeira. Todo o mal – a uma primeira vista, claro – parece estar nas armas nucleares. O problema é que só se fala das armas nucleares e não da guerra...

Por este facto, determinei-me a trazer ao leitor alguns dados sobre guerras que tiveram lugar no Século XX e em que não foram usadas armas nucleares. Vejamo-los, portanto.

GUERRA DO VIETNAME
O total de vítimas desta guerra, desde 1964 a 1975, iniciada pelos Estados Unidos, sendo naturalmente impreciso, oscilará entre 1,5 a 2,0 milhões vietnamitas, por entre civis e militares. Mas também 58 000 soldados norte-americanos terão falecido até ao reconhecimento da soberania do Governo de Hanói sobre todo o Vietname, em 1973.

GUERRA DA COREIA
Este conflito foi um dos mais mortíferos de todo o Século XX, causando um total de 2,5 milhões de vítimas.

I GUERRA MUNDIAL
O saldo de mortos durante os cinco anos deste conflito foi de cerca de 8 milhões, sendo 1,8 milhões alemães.

II GUERRA MUNDIAL
Foi o conflito militar mais mortal da História, estimando-se entre 70 a 85 milhões de mortos.

GUERRA CIVIL DE ESPANHA
Os historiadores deste conflito apontam para 200.000 pessoas para vítimas do Terror Branco e 38.000 a 72.344 pessoas vítimas do Terror Vermelho, cujo significado se percebe.

Compete agora aos leitores olharem estas realidades, esmiuçá-las e tirar as respetivas conclusões. Mas sempre tendo presente este essencialíssimo dado: em nenhuma destas guerras se utilizaram armas nucleares. E também esclarecerem-se sobre esta questão: porquê esta pressa e esta pressão contra as armas nucleares, quando foi a sua posse que impediu um terceiro conflito mundial? Quem sairia beneficiado com o fim das armas nucleares? E porquê?

Hélio Bernardo Lopes

 

logo branco

Quinzenário do concelho de Vila Nova de Cerveira. Medalha de mérito concelhio.

Estatuto Editorial do Cerveira Nova

geral@cerveiranova.pt
Telefone: +351 251 794 762

cerveirafm

Subscreva a nossa newsletter e receba as nossas novidades em primeira mão.