domingo, 18 abril 2021
Imagem topo

Choradinho

Publicado domingo, 04 abril 2021 10:23

Já com a vitória sobre o Luxemburgo no bolso, consegui encontrar um buraco temporal para abordar o recente episódio que envolveu Cristiano Ronaldo pelo final do jogo com a Sérvia. À boa maneira portuguesa, as nossas televisões, certamente também os jornais, trouxeram-nos o mais que (...)


Já com a vitória sobre o Luxemburgo no bolso, consegui encontrar um buraco temporal para abordar o recente episódio que envolveu Cristiano Ronaldo pelo final do jogo com a Sérvia. À boa maneira portuguesa, as nossas televisões, certamente também os jornais, trouxeram-nos o mais que esperado. Uma interessantíssima marca do nosso modo de estar na vida, e que explica, em mui boa medida, a situação relativa no espaço europeu que foi a nossa e de (quase) sempre.

Embora não possa dizer que a bola entrou completamente na baliza sérvia, e para lá do risco de baliza, tenho quase a certeza de que tal acontecimento teve ali lugar. Portanto, parto do princípio de que o golo teria de ser válido. Simplesmente, isto acontece no futebol, como o próprio selecionador nacional acabou por dizer na sua intervenção final: no futebol é assim.

Tendo tudo isto em conta, o que passou a valer foi o facto de não ter ali sido considerado golo válido, acabando Portugal por empatar com a Sérvia. É natural, pois, que tendo sido golo, e tendo Cristiano Ronaldo podido perceber esta mesma realidade, em face da sua posição junto à linha final, este tenha explodido de fúria perante o que entendeu ser um erro tremendo e uma injustiça para a seleção portuguesa.

Claro está que Cristiano Ronaldo conhece muitíssimo bem o normativo em vigor em matéria deste tipo de protestos, mas também temos de perceber que ele não é um autómato, que cumpre sempre, irrepreensivelmente, todas as normas em vigor, assim como se não disponha de reações emocionais. De tudo isto, porém, sobrevieram consequências imediatas.

As normas regulamentares são gerais e abstratas, pelo que aquele protesto teria de vir a ser punido, recebendo um cartão amarelo. Pior, todavia, foram os protestos à saída, que pareciam dizer que já mais nada valia a pena, porque as decisões a esperar seriam sempre contra Portugal. E depois, parece que já com o jogo findado, o lançamento da braçadeira de capitão ao solo.

No meio de tudo isto, que parece não merecer grande discussão, de pronto surgiu o já velho choradinho, a cuja luz, sendo Cristiano Ronaldo o maior, tudo no seu comportamento deve ser relativizado, assim como se as normas em vigor possam não valer para todos os que jogam o futebol. E fartei-me de rir com as palavras de Fernando Santos, quando depois, na conferência de imprensa, explicou que estava de costas, não tendo visto o que se passou. Depreende-se destas palavras que não viu as imagens, nem nada delas escutou, pelo que não sabia de nada. É bem o modo como há décadas venho definindo o modo português de estar na vida: não viu, não ouviu, não sabe, não pensa, obedece.

Este caso mostra o que se conhece de há muito no mundo atual do nosso futebol: haja o que houver com Cristiano Ronaldo, ninguém aceita que possa ser castigado. E se tivesse enfiado uma valente bofetada no árbitro auxiliar, seria, para os nossos comentadores, porque este deveria ter dito algo inaceitável para o nosso desportista. Recordemos, por exemplo, o que se passou com Cantona, quando jogava no Manches-er United, e no que depois sucedeu consigo e com o espetador provocador e ofensivo, e tentemos pensar sobre se um tal cenário poderia ter lugar entre nós, mormente com Cristiano Ronaldo.

Opinião de Hélio Bernardo Lopes

logo branco

Quinzenário do concelho de Vila Nova de Cerveira. Medalha de mérito concelhio.

Estatuto Editorial do Cerveira Nova

geral@cerveiranova.pt
Telefone: +351 251 794 762

cerveirafm

Subscreva a nossa newsletter e receba as nossas novidades em primeira mão.